Representatividade feminina nas Olimpíadas de Matemática: Descrever, discutir e ampliar

Marcella F. dos Santos, Suzany G. Barbosa, Glauce S. Guerra

Resumo


Pesquisas recentes identificam no Brasil e no mundo um importante fato sobre as meninas: no decorrer da idade elas se afastam em grandes proporções do estudo e carreiras relacionadas às Ciências Exatas e de modo mais geral, das áreas chamadas STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) ([2]; [6]) [...]


Texto completo:

PDF

Referências


N. M. Bigolin et al. “Meninas Olímpicas: estimulando o protagonismo feminino nas ciências e tecnologia”. Em: Cadernos de Gênero e Tecnologia 39 (2019), pp. 133–147. doi: 10.3895/cgt.v12n39.

E. K. Gaudêncio. “RELAÇÕES DE GÊNERO NA MATEMÁTICA”. Em: Anais IV DESFAZENDO GÊNERO. Ed. por Editora Realize. 2019.

MEC. Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Online. Acessado em 11/06/2022, http://portal.mec.gov.br/rede-federal-inicial/apresentacaorede-federal.

F. Meireles. Predizendo sexo a partir de nomes próprios com o genderBR. Online. Acessado em 05/09/2021, https://fmeireles.com/blog/rstats/predizendo-sexo-nomes-proprios-genderbr.

F. Rezende e F. Ostermann. “Olimpıadas de ciências: uma prática em questão”. Em: Ciência & Educação (Bauru) 18.1 (2012), pp. 245–256.

Unesco. Decifrar o código: educação de meninas e mulheres em ciências, tecnologia, engenharia e matemática (STEM). 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SBMAC - Sociedade de Matemática Aplicada e Computacional
Edifício Medical Center - Rua Maestro João Seppe, nº. 900, 16º. andar - Sala 163 | São Carlos/SP - CEP: 13561-120
 


Normas para publicação | Contato