Um Estudo de Gênero a partir da Distribuição de Bolsas do Programa Universidade para Todos

Marilaine Colnago, Camila F. Lages, Helen S. Picoli, Giovana A. Benvenuto, Thalita Benicio Ghetti, Wallace Casaca

Resumo


Por muito tempo as mulheres sofreram uma grande exclusão em diversas áreas, tanto no que diz respeito ao acesso à educação quanto em relação a inserção no mercado de trabalho, visto que estudar e “trabalhar fora” eram atividades restritas aos homens, por isso pouquíssimas chegavam ao ensino superior. Pesquisas educacionais e científicas relacionando gênero e educação começaram a ganhar espaço somente em meados dos anos de 1990, com o crescimento de reivindicações de políticas públicas visando a criação de medidas contra a discriminação da mulher. Nesta linha, o presente trabalho tem como objetivo investigar como políticas públicas no âmbito do ensino superior  impactam no acesso à universidade, no que diz respeito a composição de gênero em paralelo às áreas  do conhecimento tidas como masculinas, como é o caso das STEM (sigla em inglês para Ciências, Tecnologias, Engenharias e Matemática). Dentro deste recorte, foram analisados os bancos de dados do Programa Universidade para Todos (Prouni) do Governo Federal, que visa oferecer bolsas de  estudos parciais e integrais em instituições superior, entre os anos de 2011 e 2020. O estudo mostrou  que a ocupação de bolsas femininas em STEM foram menores em todos os anos, mesmo as mulheres sendo maioria na ocupação geral das bolsas.


Palavras-chave


STEM; Ensino Superior; Prouni; Políticas Públicas; Estudo de Gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


R. Arêas, A. E. Santana e M. C. Barbosa. “A discriminação da intelligentsia no campo científico brasileiro”. Em: Revista Educação, Cultura e Sociedade. Universidade do Estado de Mato Grosso, Brasil, 10.3 (2020), pp. 002–018.

A. P. Bimbati. Prouni: 1 em cada 5 bolsas integrais não foi preenchida em 2020 - UOL. Online. Acessado em 08/03/2022, https://educacao.uol.com.br/noticias/2021/ 12/10/mp-prouni-vagas-nao-ofertadas.htm. 7

Open Box da Ciência. Gênero e Número. Online. Acessado em 13/03/2022, www.openciencia. com.br.

R. Cunha, M. Dimenstein e C. Dantas. “Desigualdades de gênero por área de conhecimento na ciência brasileira: panorama das bolsistas PQ/CNPq”. Em: Saúde em Debate, 45 (2021), pp. 83–97. doi: 10.1590/0103-11042021E107.

Ministério da Educação. Portal Único de Acesso ao Ensino Superior: Prouni. Online. Acessado em 13/03/2022, https://acessounico.mec.gov.br/prouni.

R. L. O. de Matos, O. Santin Filho e N. M. M. Kiouranis. “A “linha de abastecimento”: reflexões sobre a educação das meninas na área das Ciências Exatas e da Computação”. Em: Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 10.3 (2019), pp. 18–36. doi: 10.26843/ rencima.v10i3.1999.

S. N. Pavesi. “Reconhecimento, participação e vivência de mulheres nas Ciências Exatas, Tecnologia, Engenharias e Matemática: um panorama de projetos de extensão universitária brasileiros”. Dissertação de mestrado. Universidade do Porto, 2021.

J. Pires e D. de Almeida. “Protagonistas da tecnologia: a conquista feminina e as barreiras a serem rompidas na Ciência da Computação”. Em: Anais da X Escola Regional de Informática de Mato Grosso. 2019, pp. 160–162.

J. Schwartz et al. “Mulheres na informática: quais foram as pioneiras?” Em: Cadernos Pagu, Dossiê: Gênero na ciência, Unicamp, 27 (2006), pp. 255–278. doi: 10.1590/S0104- 83332006000200010.

M. C. R. da Silva, C. M. M. Vendramini e F. L. Lopes. “Diferenças entre gênero e perfil sócio-econômico no exame nacional de desempenho do estudante”. Em: Avaliação: Revista da Avaliação da Educação Superior (Campinas), 15.3 (2010), pp. 185–202.

Coppe - UFRJ. Curso para jovens mulheres ingressarem na área tecnológica abre inscrição. Online. Acessado em 11/03/2022, https : / / www . coppe . ufrj . br / pt - br / planeta-coppe-noticias/noticias/curso-para-jovens-mulheres-ingressarem-naarea-tecnologica-abre.

Jornal da USP. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação? Online. Acessado em 12/06/2022, https://jornal.usp.br/universidade/por-que-asmulheres-desapareceram-dos-cursos-de-computacao




DOI: https://doi.org/10.5540/03.2022.009.01.0318

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


SBMAC - Sociedade de Matemática Aplicada e Computacional
Edifício Medical Center - Rua Maestro João Seppe, nº. 900, 16º. andar - Sala 163 | São Carlos/SP - CEP: 13561-120
 


Normas para publicação | Contato